Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

FOTOGRAFIAS




Ontem, tive uma noite bastante inquieta.
Dores pelo corpo, acordando constantemente com suas gatas dormindo em cima de mim.
Não há uma só noite em que eu não sonhe.
Nesta noite, particularmente, meus sonhos foram desconexos e fragmentados, cujo ápice, como que encerrando um episódio sem sentido, foi ver a mim mesma diante de um álbum de fotografias que contava a história da sua vida.
Eram fotos grandes, apenas uma por página.
Você bebê, você com seu pai, você diante de um bolo de aniversário...
A cada fotografia vista, um choro desesperado e dolorido.
Algumas páginas estavam em branco, como se as fotos tivessem sido tiradas dali por alguém.
Abreviações de uma vida...
Tenho me tornado uma pessoa apática.
Ando tão desesperada de tristeza, tão angustiada com a tua ausência que não sou capaz de prospectar um futuro feliz pra minha vida.
Não estou conseguindo seguir o que prego, não estou.
Hoje acredito que pessoas podem morrer de tristeza.
Tenho tido fobia de pessoas. Meu celular toca, não consigo atender.
Não quero sair, não quero ter que rir, não quero fazer de conta que estou dando a volta por cima.
Não quero e não consigo, porque simplesmente não estou!
Estou tomada por uma dor indescritível, dor esta que me faz chorar na rua, no banco, na fila do mercado ou qualquer outro lugar onde esteja.
Quero deitar e dormir, porque dormir faz com que eu não sinta o tempo passar.
Rogo por uma amnésia, pois quem não se lembra, não sofre.
Meu corpo tem funcionado de maneira lenta, claramente desacelerando...
Aos poucos, percebo minha rendição.
Que não me venham falar em psicólogos ou psiquiatras, a menos que estes possam me devolver você.
Algumas coisas não são escolhas nossas.
Já outras...



“Maldito seja você, assassino desgraçado!
Olhe bem as fotos da minha filha que você ASSASSINOU.
Eu sei que você visita o blog, sei que você lê o que escrevo.
Que a imagem dela o atormente tanto, tanto, tanto, que o faça se matar.
Não tenho dó de você, nem senti pena do que comentou no blog da minha prima (se é que foi realmente você quem escreveu aquilo ali).
Covarde...
Que fique mesmo só no seu pensamento de criminoso a idéia de bater na minha porta pra pedir perdão à todos nós.
Não terá meu perdão, só terá o meu eterno ódio.
Vamos aguardar a quantidade de 'cestas básicas' que você terá que pagar como forma de punição ao crime que cometeu.
Aí, então, depois disso, com CERTEZA, conversaremos."

2 comentários:

  1. Olá! Fiquei comovida com seu blog, sua filha era realmente muito linda e talentosa, é muito triste perder uma pessoa que amamos muito de uma forma tão trágica, ainda mais com a idade que ela tinha. Mas todo o ódio que vc sente dessa pessoa que tirou a vida dela, pode até estar fazendo mal para ele (que com certeza, através da justiça ou de outra forma, vai ser cobrado por isso), mas com certeza está fazendo muito mal para a sua filha onde ela estiver. O ódio e o rancor só faz a gente sofrer ainda mais...
    Me desculpe cair de paraquedas aqui, mas é que senti tanto ódio no que vc escreveu...

    Um bjo
    Aline

    ResponderExcluir
  2. oo gabi não sei se vc vai lembrar de mim mais no finzinho do ano passado eu e o saulo ficava todo dia no portão da sua casa com ela depois da escola queria q soubesse q eu nao estava aki quando tudo aconteceu tanto q so fiquei sabendo uma semana depois mais mesmo estando longe sofri mto
    estou em sorocaba de novo mais nein sei se foi bom volta pra ca pois toda vez q vou chegando ai no paineiras tenho a leve empressão q vou encotra ela andando por ai como sempre a via
    a ultima foto q eu tirei com ela foi no dia q ela ganhou como a mais bonita da escola ta no meo orku se vc quizer ve depois
    ja escrevi mto mais quando e pra falar sobre bianca calegari nao a linha q da conta pois ela e ra e ainda e mto importante pra mim
    bjaoo gabizuda como ela mandava agente te chamar (um dia falei com vc por telefone de dentro da escola) força sempre ta abraços
    msn: raphasoliveirahh@hotmail.com

    ResponderExcluir

Por favor, deixe um email para contato.